SALTIMBANCO

Se você pudesse escolher uma profissão completamente diferente, que fosse desafiadora, mas desse muito prazer em estar ali e proporcionasse momentos de alegria para seus “clientes” qual seria a sua escolha?
Talvez jogador de futebol, ou quem sabe piloto de corrida. Talvez músico, ou poderia viver da dança. Existem várias profissões maravilhosas fora do nosso cotidiano que podem ser vistas como sonhos fantásticos por nós, mas também já foram vistas como profissões ingratas por muitos que se arriscam nelas, pois a promessa de um futuro melhor nem sempre (dificilmente) se cumpre.
Mas por que arriscar-se em algo que é tão seletivo assim? Pelo mesmo motivo que faz um trapezista largar a mão de sua barra de apoio e se lançar no ar esperando que outra pessoa o segure, CONFIANÇA.

Possivelmente o circo nos ensina mais sobre confiança do que qualquer outro trabalho. Não que não haja em cada tipo de trabalho um aspecto sobre se assegurar com o que seu colega está fazendo. Mas por não haver tantos recursos de proteção contra eventuais erros o circo nos mostra com clareza a definição que buscamos hoje sobre confiar.
O equilibrista precisa confiar na estrutura montada, ou também naquele que está o esperando para que se salte sobre sua cabeça e dependure-se mais uma vez em outro lugar. A assistente de mágica espera que não haja nenhum equivoco por parte do mágico, pois sua vida está em jogo ali. Os malabaristas, quando estão em parceria e fazem manobras com fogo ou espadas, também têm que confiar no seu parceiro para não se machucar.
Mas o trapezista é, pra mim, o símbolo de confiança.
Ele, assim como os outros, passou por momentos difíceis na sua vida. Teve que largar mão de muitas coisas em prol de seu sonho. Deixou o conforto de lado para se tornar nômade com o circo. Talvez em turnês um pouco menos afortunadas não teve muitas condições de comer bem ou de se cuidar de maneira salutar. Mesmo assim ele continuou lá, assim como os outros.
Contudo, o que o diferencia dos demais é o momento do salto. Naqueles segundos antes de se lançar toda essa história vem em sua mente. Ele lembra que seu dia não está muito legal e sabe que provavelmente seus outros colegas também enfrentam dias duros ali, mas o espetáculo não pode parar.
A corda vai e ela volta e na próxima oscilação ele deve soltar da barra e esticar as suas mãos. Não há mais nada a fazer. Ele não pode fugir dali. Não pode caminhar nem correr, apenas pairar no ar e esperar.
O público o encara com olhar de desespero imaginando se algo de errado se passe. Os demais colegas nem o veem, pois já se cansaram de tanta repetição de cena. A indiferença de uns se mistura no ar com a apreensão de outros e quando tudo indica uma catástrofe o resgate chega.
Há ainda um pequeno deslize no braço do outro trapezista, mas a segurança já veio. Os tamborins podem cantarolar, porque o show já pode continuar.
Por mais que não venhamos a trabalhar com essas profissões que partem da fantasia de toda criança, cada trabalho tem seu risco e sua dificuldade. Assim como não é fácil fazer sucesso na música é preciso muita dedicação para encontrar um bom trabalho como médico, engenheiro ou administrador.
E para qualquer projeto de nossas vidas precisamos desse “quê” a mais em relação a CONFIANÇA. Temos que confiar no nosso colega, confiar em nossa habilidade, confiar que é preciso saltar para chegar do outro lado do palco e crescer cada dia mais.
É nesse tempo no ar que nosso coração se fortalece. É nesse tempo de salto, que pode durar alguns segundos, mas também meses, que podemos aprender que, por mais que tudo pareça conspirar contra nós, o socorro chegará e o show irá seguir como imaginamos.
O Senhor também nos pede para confiar n’Ele, para que saltemos e dependamos completamente de suas mãos. Pois elas sempre estarão lá para nos resgatar e cuidar de nós.
Não se esqueça do simples mais profundo ensinamento do salmista (localizado no centro da bíblia):

“É melhor confiar no Senhor do que nos homens” (Sl 118:8)

Confie no Senhor e na Sua justiça e o mais Ele vai fazer!
Uma boa semana a todos!
SALTE!!!

Abraços.

Deixe uma resposta