Gutiérrez, Rico

Você já notou que alguma das vezes que estamos empolgados com alguma coisa, ou por algum motivo, algo simples acontece e essa empolgação toda se esvai? Ou então a expectativa criada era tão grande, que quando vemos o que realmente temos a disposição, desmotivamo-nos e nem arriscamos muito essa mudança ou projeto?
Isto normalmente acontece quando as esperanças estão baseadas em hipóteses e auto-convicções, sem uma base realmente firmada sobre esse aspecto. Como assim? Vamos ver a história de Gutiérrez um distinto rapaz da classe alta e seu sonho, para entender melhor esse assunto:

Gutiérrez tinha tudo o que queria. Ele tinha apenas 27 anos e era o jovem mais rico de seu país, seu apelido entre seus amigos era exatamente esse, Rico. Não que seus amigos não fossem ricos como ele, mas ele era o mais afortunado.
Todos os dias, Rico ia até o clube de golfe, pela manhã, e praticava seu esporte favorito. Comia um prato de cordeiro ao molho de ervas e vinho, típico de seu país, Israel, acompanhado de Babaganuche libanês com pães sírios.
Pela tarde administrava seus negócios, a maior rede de vendas de camelos da Judéia e revenda de tendas. Fazia reuniões e discutia projetos para uma melhor lucratividade de seus negócios. E logicamente organizava as melhores festas e eventos para seus ilustres amigos e para a socialite judaica da época.
Porém, Gutiérrez nunca deixava sua paixão de lado, os dogmas passados por Moisés a seus antecessores. Era um judeu devoto e praticante. Não deslizava em nenhum dos 613 dispostos na Torat. Realmente Rico era um rapaz muito correto e abençoado.
Certo dia, um homem um pouco mais velho que Rico, passou pela região anunciando um novo reino e palavras de amor e de significância maior da Lei. Rico se encantou. Correu atrás de tal homem e passou a ouvir mais de suas mensagens.
Ouviu tal homem falar sobre ser um discípulo, se empolgou quando este desconhecido discutia um assunto tão polêmico sobre adultério e divórcio. E ficou ainda mais interessado quando algumas pessoas chegavam até tal homem e buscavam a vida eterna.
Quando surgiu uma oportunidade, Gutiérrez se aproximou do homem e disse:

– “Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna”? (Mt 19:16b)

A resposta veio de imediato e espantou-lhe um pouquinho:

– “Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos”. (Mt 19:17)

Ele ainda perguntou quais mandamentos eram, pois ele guardava todos, mas queria saber quais eram os mais importantes, afinal, quanto menos trabalho melhor. E a resposta do moço era exatamente o que ele fazia. O que lhe encheu mais o coração de alegria e de prontidão e esperançoso respondeu por fim:

– “Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda”? (Mt 19:20)

Mas a resposta dada a esta última pergunta não foi o que ele esperava. Doeu-lhe o coração e tudo o que havia criado de expectativas se desmorona de um instante para o outro, pois esse homem, Jesus, conhecia o real desejo do coração do jovem Rico e tocou no ponto chave de sua alma.

– “Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me”. (Mt 19:21)

Duras palavras.
Gutiérrez sai cabisbaixo e deixa Jesus com seus discípulos ali. Sai pensando em suas propriedades, na sua fortuna, naquilo que ele construiu, entendendo qual a mensagem que Jesus passara para ele, que o seu coração tinha outra prioridade e não era o seguir a Deus.
A empolgação com a mensagem se foi, por água a baixo, como o fogo que consome uma palha, vem quente e inflama, mas logo se apaga. As raízes criadas foram equivocadas. Ele queria do jeito dele, da sua maneira. Queria ser rico e já garantir com suas próprias mãos um lugarzinho de destaque no céu.
Saiu de lá triste, mas entendeu o sentido que Paulo, anos depois vinha a expor aos efésios:
“Pois, pela graça sois salvos, mediante a fé, isso não vem de vós, é dom de Deus. Não por obras, para que ninguém se glorie”. (Ef 2:8-9)
Que o Senhor nos ajude a não murcharmos quando o confronto de nossas expectativas vier e nos mostrar que há algo muito maior do que imaginamos. Que a chama que arda em nosso coração seja perene e aumente a cada instante do caminhar com Cristo.
Uma ótima semana a todos!!!

Abraços!!!

Deixe uma resposta