Serpente de bronze

Deus criou as coisas belas, mas nunca foi sua intenção que elas se tornassem ídolos para nós. 
Podemos ver nos trechos abaixo um exemplo do que Deus criou sendo transformado em objeto de idolatria.

“Então partiram do monte Hor, pelo caminho do Mar Vermelho, a rodear a terra de Edom; porém a alma do povo angustiou-se naquele caminho.
E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos fizestes subir do Egito para que morrêssemos neste deserto? Pois aqui nem pão nem água há; e a nossa alma tem fastio deste pão tão vil.
Então o SENHOR mandou entre o povo serpentes ardentes, que picaram o povo; e morreu muita gente em Israel.
Por isso o povo veio a Moisés, e disse: Havemos pecado porquanto temos falado contra o SENHOR e contra ti; ora ao SENHOR que tire de nós estas serpentes. Então Moisés orou pelo povo.
E disse o SENHOR a Moisés: Faze-te uma serpente ardente, e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo o que, tendo sido picado, olhar para ela.
E Moisés fez uma serpente de metal, e pô-la sobre uma haste; e sucedia que, picando alguma serpente a alguém, quando esse olhava para a serpente de metal, vivia.”
Números 21:4-9
 “Ele [Rei Ezequias] tirou os altos, quebrou as estátuas, deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a serpente de metal que Moisés fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso, e lhe chamaram Neustã.”
2 Reis 18:4

O Rei Ezequias quebrou a serpente de bronze que Deus instruiu Moisés a criar. Se Deus foi quem instrui a criá-la, porque Ezequiel a destruiu? Tinha alguma coisa de errado com ela? Não, mas o povo começou a adorá-la. Eles perverteram o objetivo do que Deus tinha feito. Aquilo que deveria ter um fim de apontar a Deus tornou-se o próprio deus para eles.
E o pior é que, além de tirar o foco de Deus, essas vaidades muitas vezes prejudicam a nossa saúde. E, se afeta nossa saúde (física ou mental) também afeta nossa capacidade de servir a Deus. Quão mais saudáveis estamos, melhor podemos servi-Lo. Por isso devemos cuidar muito da nossa saúde física e mental, pois está diretamente ligada com a saúde espiritual.
Por exemplo, acreditar que produtos de beleza, acessórios ou roupas de marca te acrescentarão algum valor é um problema psicológico e traz consigo baixa-estima e desvalorização da criação de Deus. Além do aspecto emocional, a vaidade também pode nos trazer danos físicos, como é o caso –para as meninas – do uso em excesso do salto alto.

“Sinônimo de elegância e indispensável no guarda-roupa de muitas mulheres, o salto alto se revela um inimigo se usado em excesso.” Fonte: http://manequim.abril.com.br/moda/editorial/editorial_moda_278720.shtml

Boa sorte meninas,
mas eu vou é de havaianas!

“Ao longo do tempo, os saltos muito altos mudam a conformação dos pés, porque alteram a maneira como as mulheres pisam. Ao se equilibrar, a concentração do peso fica restrita aos dedos. Há, ainda, dificuldade na flexão da planta do pé – o que prejudica a circulação e potencializa a tendência a varizes. Além disso, o salto altera a musculatura da perna, tornando os músculos mais curtos na parte traseira e mais longos na frente. Muita gente já deve ter ouvido queixas de mulheres que afirmam que usam sempre salto alto e não sentem desconforto, mas quando trocam o calçado por modelos sem salto ou tênis, sentem dores na panturrilha (também chamada de batata da perna) e nos pés – sinais clássicos do encurtamento do tendão de Aquiles. Dores no joelho, no arco anterior dos pés, joanetes, calos, tendinites, unhas encravadas e danos à coluna, como lordose, são outros problemas ortopédicos causados pelo salto alto.” Fonte: http://www.ortopediaesaude.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=318&Itemid=79

O uso do salto alto em excesso é nocivo. Mas como definir “excesso”? Certamente, se você não usar nunca terá esse problema. Portanto, cuidado meninas!
Que tenhamos esse cuidado em nosso vestir e estilo de vida, de não tirar o foco de Deus. Que não prejudiquemos nossa saúde e potencial de servir a Deus por vaidade. E que não nos tornemos distrações entre a comunicação dos irmãos com Deus. Que, ao ir à Igreja, o centro das atenções seja a mensagem de Deus, e não nosso visual, jóias, roupas caras, ou mesmo, falta de roupa.

“Vaidade são, obra de enganos; no tempo da sua visitação perecerão.” (Jeremias 51:18)

Feliz Sábado!

Deixe uma resposta