Clamor do Angustiado

É difícil aceitar a vontade de Deus algumas vezes. Não cheira bem, não tem um bom sabor, não parece bom. Podemos não gostar, mas se é a vontade dEle, temos que confiar.
É difícil engolir o sabor amargo quando as coisas não saem da forma como queríamos, como planejamos, idealizamos.
Por que tem que ser assim? “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres” (Mateus 26:39).
Sei que em Deus posso confiar. Sei que ele não trai, não falha e não nos decepciona. Eu sei, mas é difícil aceitar e parece impossível de entender… Que angústia invade meu ser!
E não posso eu estar angustiado? Não tenho este direito? Se até Jesus se angustiou (Mateus 26:38) – e com muitos mais motivos que eu, por que não posso eu também estar angustiado frente a um cálice amargo? Cálice esse que preferia não provar, mas que antes seja feita a vontade dEle. Não deveria eu estar angustiado? Se até os grandes reformadores estiveram… Disse Lutero: “Ninguém poderá saber o que meu coração sofreu durantes estes primeiros dois anos, e em que desânimo, poderia dizer em que desespero, me submergi”. Se Jó também esteve, por que não posso eu? Não esteve Paulo angustiado enquanto esteve na prisão? E não deveria também eu estar angustiado? Nesse momento em que provo do sabor horrível da realidade de uma grande perda, como deveria eu sentir-me se não angustiado?

O Senhor me enche de promessas (Josué 1:9, Isaias 41:10, Jeremias 29:11-12, Hebreus 10:36 e muitas outras). O Senhor diz 365 vezes “não tema”. O Senhor que diz “Lancem sobre Ele toda a sua ansiedade, porque Ele tem cuidado de vocês.” (I Pedro 5:7). É o Senhor que escreve nas entrelinhas. É o Senhor que vê o fim desde o princípio. Frente a tudo isso (e se estou consciente de tudo isso), por que me sinto ainda angustiado?
É tão difícil olhar para minha tragédia sob minha perspectiva limitada, e não ver o que Deus tem por trás de tudo isso. É como perder um braço e ter que entender que Deus tem um propósito com isso. Como assim Deus? É como ver o filme “Alma de surfista” e identificar-se somente até a parte em que não há esperanças. Até o ponto em que já não há nada palpável onde se agarrar. Só me resta esperar e depender do melhor – porém mais difícil, a fé nos planos misteriosos de Deus.

“Deus nunca dirige os seus filhos de maneira diferente daquela por que eles próprios escolheriam ser guiados, se pudessem ver o fim desde o princípio.” (DTN)

Não adianta. Posso estar sorrindo, mas a angustia permanece. Até quando estarei cego quanto aos seus propósitos, ó Deus? Até quando terei que esperar para ver esta situação sob seu olhar divino? Até quando…? Cada segundo é uma eternidade. Cada milésimo é doloroso. Apressa-te, ó Pai, em acabar com minha angústia. Mas antes, que ela continue o tempo devido para que tudo aconteça no Seu tempo…
Eu sei que isso já causou e tem causado em mim muitas mudanças que há muito tempo ansiavam por acontecer. Eu sei que isso me fez dar prioridade e resolver as pequenas pendências arquivadas, problemas que vamos evitando e deixando pra depois. Eu sei que é momento de renovo e sinto-me sendo moldado mais a imagem de Cristo. Eu sei… E isso é fantástico! Isso precisava acontecer! Mas será só esse o propósito? Será este o final? Ou tem algo mais? Pois a angústia continua…
Quero poder seguir o exemplo de Paulo enquanto esteve na prisão. Mesmo enquanto esteve preso, em momentos de angústia, continuou escrevendo cartas de encorajamento. Paulo poderia ter escrito a Timóteo “Timóteo, estou numa cela fria e pequena onde o Senhor me colocou, a qual divido com ratos que estão sempre tentando comer o meu calcanhar…”. Mas ao invés disso Paulo disse “Timóteo […] Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, o nosso Senhor” (I Tim. 1:2)! E não é possível encontrar nem sequer uma reclamação de Paulo em suas cartas. Esteve angustiado, mas esteve grato a Deus, mesmo sem entender, pelo plano que Ele tinha preparado.
Quero ser como um rato de laboratório, que pode estar em um barril furado afundando em uma piscina e continuar tranqüilo enquanto todos os outros ratos de esgoto estão desesperados subindo um em cima do outro buscando sobreviver. Quero ser como o rato de laboratório, que mesmo em meio à angústia permanece tranqüilo, pois já experienciou a salvação anteriormente. Ele sabe que antes de tudo estar perdido, virá uma mão lhe socorrer. Como este rato, eu também experienciei a salvação pela morte de Jesus na cruz. Como este rato eu quero ser, pois a sua esperança é maior do que o seu sofrimento.
E é assim, em meio à angústia e tribulação, que sigo confiando em Deus. Confiando que o pranto se transformará em alegria. Confiando que amanhã um dia novo virá, e o Senhor secará minhas lágrimas. O dia em que a ferida finalmente fechará. A cicatriz pode ficar, mas já não haverá nem dor, nem lágrimas, nem angústia. Haverá paz. Enquanto isso, sigo andando pela fé…
Obrigado Senhor! Louvado seja o seu nome! Pois sei que tu és fiel e vem ao meu encontro para me resgatar! Sei que a tua solução é melhor do que qualquer que eu possa imaginar!
Feliz Sábado a todos!

2 thoughts on “Clamor do Angustiado

  1. Nati says:

    Deus do impossível. Confia e espera no Senhor. Agradece à Deus pela vida e saúde (dádivas) e pela família (nosso porto seguro, quem nos ama sempre, e muito). Tenha Fé e acredite, o sabor doce está na certeza de que Deus reserva algo especial para quem busca o Seu Reino!!!…e tudo mais será acrescentado. Fique em paz. Deus te abençoe!

Deixe uma resposta