Mataiotes

vazioMataiotes é uma palavra bem complicadinha de entender. Mesmo se soubermos que no português ela se apresenta de uma forma um tanto quanto diferente (mas ainda não vamos contar sua transliteração).

Mataiotes é uma palavra grega para vazio. Algo que não possua um sentido próprio, ou que, mesmo cheio de coisas, não têm valor algum agregado, ou pior, é a deterioração do que teria que ter algum valor, mas perdeu o mesmo, pela falta de propósito e/ou objetivo digno.

Mais interessante ainda é saber que no hebraico essa palavrinha pode ser expressa como ‘Habel’ ou ‘Shav’ que também trazem uma conotação de vazio e oco. Algo que por fora traz um conteúdo apresentável, mas por dentro possuí um grande vácuo de conceitos e substancialidade.

Nossa, mas por que tenho que, ou quero, saber sobre Mataiotes, Habel ou Shav?

Essas três palavrinhas em conjunto são apresentadas do início ao fim da Bíblia com um nome peculiar ao português. E às vezes a lemos sem ter a mínima noção do que está querendo trazer com isso. Por isso resolvemos te contar qual o real sentido delas para nossas vidas.

Hoje vivemos em um mundo que passou por inúmeras mudanças ao longo de todo o trajeto da humanidade (e antes disso também). Esse mundo foi figurado, ou formado, de uma forma perfeita limpa e com o propósito de permitir que nós disfrutássemos de cada centímetro quadrado de terra, natureza e pureza que ele trazia. Porém tudo isso fora tirado de nós, por conta de Mataiotes.

O homem quis mais. Mais do que a perfeição. Mesmo sem pensar o que isso traria de consequências. E o resultado disso veio junto a um vazio enorme. A perfeição fora deixada de lado e a busca pelo preenchimento dessa “oquidão” vinha atrelada de mais Mataiotes ainda.

O preenchimento por status, visibilidade, se tornar mais apresentável do que qualquer outro. Ter mais poder, ser mais bem sucedido, vencer a qualquer custo. Tudo isso trazia um sentido de futilidade e até nojo para a alma. O homem caminhava cada vez mais para longe do que o conceito de partilhar trazia. Começou a correr atrás de metas e objetivos incoerentes e inconsistentes.

Deixou de ser um indivíduo e se tornou individual.

Paulo afirma:

“Porque a criação ficou sujeita à MATAIOTES, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou”. (Rm 8.20)

O pecado trouxe isso. A distância do criador de tudo trouxe isso. A falta do amor trouxe isso.

Se apresentar bem, querer ter sucesso, querer ir mais longe do que se pensara um dia, aprender mais, viver mais, sentir mais prazer. Tudo isso pode ser muito saudável mesmo. Pode ser aquilo que lhe tirará da mesmice e te fara acordar para um mundo de oportunidades e descobertas. Mas se essas vontades se embasarem em Shav ou Habel, tudo será vazio e oco, sem sentido, sem propósito. Será como Salomão bem descreve:

“SHAV de SHAV, tudo é SHAV (…) eis que tudo era SHAV e correr atrás do vento”. (Ec 1:2a e 14b).

Sim, mataiotes, shav e habel significam VAIDADE. Não no sentido de que não podemos nos vestir bem, ou usar adornos, ou querermos estar apresentáveis diante de nós mesmos. Mas no sentido que qualquer coisa, que se torne mais importante do que o que nos traz a verdadeira vida, pode ser vaidade, ou melhor dizendo: VAZIO.

Reflection ContemplationTirar fotos para que todos vejam que você é linda, menina, ou bonito, rapaz, não agrega valor. Você é perfeito à maneira que Deus te criou. Cortar o cabelo da forma que um o fez, que outro o deixou de fazer, também é vazio, não agrega mais beleza em sua vida.

Por outro lado, você deixar de se arrumar, ou vestir-se desleixadamente, buscar ser imperceptível também não agrega sentido algum a vida. Sendo que o Senhor mesmo nos chama para ser luz do mundo e nenhuma luz pode ser guardada dentro de um baú fechado a sete chaves.

É complicado? Claro que sim e claro que não. Não haveria tantas discussões sobre esse tema se fosse algo simples. Mas sua essência é básica, o vento passa, assim como a moda, por exemplo, também passa. E correr atrás disso é desperdício de tempo. É deixar de aproveitar aquilo que Deus colocara no centro do éden, a ÁRVORE DA VIDA.

Tudo aquilo que te afastar de viver com propósito, é mataiotes, é vazio, é vaidade.

Deixe que o Santo Espírito de Deus preencha cada centímetro desse vazio, que se criou quando o homem escolheu o fruto errado para comer. VIVA! Seja belo, seja linda! Vista-se bem, procure vencer, mas não deixe que o compartilhar seja apagado novamente e nem que ele surja apenas em campanhas do agasalho.

Seja você por dentro e por fora. Ou melhor, ainda, seja Ele por dentro e por fora.

“… Já não sou mais eu quem vive, mas Cristo VIVE em mim.” (Gl 2:20a).

Aproveite seu final de semana intensamente, mas livre-se de mataiotes.

Um forte abraço!

Que Deus nos ajude!!! 😉

Deixe uma resposta